Segunda-feira, 21 de Agosto de 2006

Blogosfera - Motivações Básicas I

[ 0002 ]

O Mundo conhecido está recheado de blogs. Há blogs para todos os gostos e feitios, desde o blog da menina que regista publicamente as entradas do seu diário secreto ao maduro que anda por aqui a ver se dá numa de sedutor passando, claro está, pelas mais vistosas e suculentas bundas importadas directamente do Brasil e pelos sagrados vídeos pornográficos feitos por amadores. Também há os que não fazem absolutamente nada e que, à falta de projecto consistente, teimam em fundar blogs por aqui e por ali, matando-os logo de seguida por manifesta incapacidade de alimentar a besta, caso deste vosso dedicado escriba. Por fim, há os casos sérios de bloguística sapiência e maturidade, casos raros de longevidade lúcida e os seus opostos, casos de longevidade gágá mas que, ainda assim, mantêm os seus clientes pregados ao monitor fazendo comentários por dá cá aquela palha, mesmo que o assunto de um post seja tão merdoso como um "emoticon".

Andy Warhol deixou-nos em testamento o cronómetro da Fama a que cada um de nós tínhamos direito. A professora da série dos idos 70, "Fame", deixou-nos o pensamento "a Fama paga-se". Nota-se que tanto um como a outra não chegaram a conhecer a Internet.

Actualmente a Fama pode durar anos e, cada vez mais, cada um de nós tem direito a ela. Gratuitamente. A blogosfera está agora repleta de seres que se contradizem e que, estou convencido, começam a sofrer de dissociações de personalidade: cada um dos seres da blogosfera tem a sua realidade dividida entre o meio físico, onde cada passo que dá depende das condições da envolvente, e o meio do "media", onde um "nickname" lhe dá poderes extraordinários, poderes que lhe permitem ser quem deseja ser. Sem responsabilidade de maior.

Claro que há excepções e honrosas: existem os que escrevem na tentativa de serem, realmente, um canal de informação alternativa, uma escola, um romance... mas são poucos quando comparados com a autêntica galáxia de inutilidade que este meio apresenta.

Creio que, na maioria dos casos, o blog é uma personalidade secreta, daquelas que se ostenta apenas num determinado meio e que não se mostra em casa. E isso é triste.

[ categorias ]:
[ cjt ] às 14:57
link | comentar | favorito
6 comentários:
De SongoftheNile a 22 de Agosto de 2006
Não sou de maneira alguma a pessoa indicada para falar sobre este assunto, tão somente pq nao tenho, nem nunca tive nenhum blog. Tenho um querido amigo que me deu um espacinho na sua casa e onde existo enquanto Mia. E mesmo aí, não desenvolvo um processo criativo, apenas partilho algo que gosto, as palavras e as imagens. Raramente falo de mim. Nao, falo, mas com as vozes de outros e de uma forma subtil. Tal como acontece na minha vida fisica. Nao gosto de me expor, mesmo alguns dos meus comentarios sao feitos em voz off (provavelmente este comentário terá o mesmo fim!). Talvez por isso nao tenha um blog. Pq, não por falta de tentar, não consigo deixar de ser eu. Não me consigo recriar. Nem neste mundo virtual. Gozo, contudo, de algo que não tenho na minha vida fisica. Liberdade. Esta liberdade que me permite ser, sem condicionalismos, sem juizos de valores, sem regras, sem normas, apenas ser. Ninguém do meu mundo fisico me conhece enquanto Mia (a virtual). Ninguem. Não que queira esconder algo, não que diga algo que não diga ao vivo e a cores, mas só assim consigo manter a minha liberdade. Triste? Sem duvida. E estranho.
Não acho que os blogues sejam inuteis, na medida que servem sempre um propósito. Ou por fama, ou como terapia, como diario, como feira das vaidades, como forum, ou simplesmente como uma forma de ser. Podem até ser desinteressantes, maçadores, idiotas, vazios...inuteis?? talvez, vou esperar pela tua pesquisa :))
De [ cjt ] a 22 de Agosto de 2006
Bemvinda querida amiga.
Na realidade qualquer um de nós adopta um postura diferente ao escrever um blog. Estou convencido que até os mais conceituados escribas do éter informático se sentem mais libertados pela invisibilidade dos seus olhos. O que se pretende, ao entrar na blogosfera é precisamente isso, o sentido de liberdade que se obtém ao poder escrever, editar imagem, som... ao expor o que se queira, mesmo os mais íntimos segredos.
Não considero, no entanto, que sejamos obrigados a adoptar uma dupla personalidade.
Uma coisa é poderes falar por aqui de coisas para as quais tens dificuldade em passar no teu dia a dia, outra completamente diferente é a aquisição de uma falsa identidade.
Tudo bem, enquanto exercício imaginativo [eu fiz isso com o "Anjo Negro"] mas apenas como tal.
O que eu observo é que há muita gente que começa a perder-se algures pelo caminho e a não conseguir dar conta de uma realidade inevitável.
Mais tarde ou mais cedo, todos somos confrontados com o que dizemos, pensamos, sentimos.
Por isso, nada há como mantermo-nos responsáveis e escrever REALMENTE o que pensamos. E assinar por baixo.
Mas, claro, isto é apenas uma opinião pessoal e vale o que vale.
Entretanto não consigo nunca deixar de recordar a explicação do Perceptor ao Pequeno Imperador acerca das palavras: "Um cavalheiro deve sempre conhecer o maior número de palavras possíveis e os seus significados pois quando disser algo, deve dizer exactamente o que queria dizer e não outra coisa" ... mais palavras menos palavra.
Obrigado pela visita, volta sempre.
Vai lendo que daqui a pouco a ideia desconfortável qie possas estar a ter em relação a estas exposições desaparece.
Isto não é nada de importante, como de costume.

Beijo.
De SongoftheNile a 22 de Agosto de 2006
:)) ahhhh consegues ler-me mt claramente meu amigo... mesmo aquilo que calo.
Palavras sábias sobre as palavras. Dá que pensar.
Tento ser coerente com o que digo, sei que nem sempre o consigo e que por vezes me contradigo, mas nao o escondo e tento sempre aprender com as minhas falhas.
As coisas têm a importancia que lhes conferimos, vai dai... ;))

beijo
De inbluesy a 22 de Agosto de 2006
identidades duplas ! sim existem mas até no real elas existem , no trabalho nos cafés, quando querem ser duplos voilá aproveitam as hipóteses em redor, gosto de observar talvez por isso não me apoquente o que por vezes raspa.

gosto de pensar em terapia, alguma certa companhia de insónias, gosto de pensar que até ajudou num certo desenferrujar (se é que isto existe ) num encontro que jamais esperei encontrar de novas pessoas que devido a muita timidez seria incapaz de iniciar conversa e troca de ideias em qualquer esplanada, não falo de amor falo de amizades.

é aqui que reside algum encanto, porque as palavras são aparentemente fáceis, falta-lhes um rosto, olhares expressões, díficil é manter essa verticalidade quando nos visualizamos, e quando ela existe então foi uma boa experiência.

depois existem pessoas como a mia como a su (e outras tantas) que oferecem partes de si ao recorrer a selecção cuidada do puzzle imagem versus texto, é de facto um contributo uma mais-valia :)

se contribuiu para um sorriso, um doce no coração ousar pensar que por instantes consegui escrever algo que foi bonito, ousar ter essa pretensão então valeu apena, sou humana gosto de sorrir :)
1 BJ
De [ cjt ] a 23 de Agosto de 2006
Qerida Blue, benvinda!
Estou de acordo contigo - seja benvindo quem vier por bem, que é como quem diz, traga-nos um pouco de prazer e que continue por cá.
Mas, ainda assim, pergunto-me quantas pessoas que "conhecemos" neste ambiente se comportarão assim na "vida real"?

De toda a gente que por aqui escreve e deixa pensamentos espalhados e que tive oportunidade de conhecer pessoalmente, apenas duas me parecem ser coerentes com o que por cá fazem, isto é, a sua linha de actuação na "vida real" parece-me obedecer aos mesmos princípios que proclamam por aqui e as suas opiniões, características, enfim, personalidades, não são diferentes daquilo a que estamos habituados por aqui. Falo do Joaquim Amândio Santos e do Cisco [Polegar Sangrento], tendo o prazer de trabalhar com este último. Todos os restantes que tive o prazer de conhecer pessoalmente distanciam-se um pouco daquilo que entendo deles pelos seus escritos.

Creio que isso será normal até em escritores e jornalistas [vejam-se, por exemplo, os casos de Saramago ou Grass...] cujos escritos colidem, por vezes, com o que eles são na realidade.

Tu, por exemplo, acabas por dizer que a net te permite uma comunicação que não ousarias de outra forma dada a tua timidez. Isso é uma motivação básica. Não se trata de uma "dupla personalidade", mas quase. É mais ou menos a tua roupa de super-herói, como na transformação de Clark Kent em Super-Homem. E não és a única.
Há pessoas que escrevem em blogs e foruns de uma forma e que se correspondem comigo de outra, falando pessoalmente ainda de outra forma.

O meu caso, por exemplo, é o seguinte: se me conheceres pessoalmente, verificarás que sou falador e não tenho lá muito cuidado com o que digo. As "caralhadas" aparecem [não me considero, no entanto, malcriado, não ofendo ninguém] e o tipo de linguagem é muito menos cuidado do que por aqui. Tenho também o hábito de ir formulando opiniões à medida em que vou falando do assunto, o que faz com que, na mesma frase, seja de imadiato capaz de me contradizer. Nesse sentido, esta coisa dos blogs serve, para mim, como meio de expressão mais cuidada, mais calma, mais trabalhada. Sou obrigado a reflectir no que escrevo pois a coisa vai ficar ali exposta. Para além disso, a discussão é mais saudável, não há interrupções no discurso, cada qual na sua vez. E há, sobretudo, tempo para pensar no que se vai escrever ou numa resposta que tenhamos para dar.
Será também um caso de "dupla personalidade"?
Talvez. Mas não haverá problema, desde que esse meu "duplo" não se sobreponha ao "original". Sejam eles quais forem.

No entanto quero deixar aqui uma coisa que considero importante: NADA SUBSTITUI UMA PESSOA REAL OU UMA CONVERSA CARA A CARA.

E, já agora, uma regra: NUNCA DEVEMOS DIZER NADA QUE NÃO POSSAMOS DEIXAR ESCRITO, sendo que o contrário também é válido, ou seja, NUNCA DEVEMOS ESCREVER AQUILO QUE NÃO POSSAMOS DECLARAR EM VOZ ALTA.

E, por fim, uma coisa equivalente: NUNCA DEVEMOS ESCREVER ALGO QUE NÃO POSSAMOS ASSINAR.

Beijo.
De inbluesy a 23 de Agosto de 2006
CJT

Concordo.

e tomo nota, e confesso que o meu real é bem presente, e o virtual jamais mudará sua assoalhada, se me conhecesses entenderias os meus silêncios quando não estou suficiente à vontade nos assuntos (timidez) mas os pés esses raramente voam :) cada coisita no seu lugarito.

gosto de te ler e acho piada aos constantes blogs, talvez por simpatizar com movimentos.


1 BJ*

Comentar post

@
> subscrição ao fundo da página

[ categorias ]

acerca do [anti-blog]

blocrítica

blog

blogosfera

blogs

correio

imagem

literatura

opinião

porto

todas as tags

[ frescos ]

bLógica

...

Caixa do correio

Agradecimentos

...

Avenida Perdida

De volta...

Blogosfera - Motivações B...

...

A Softer World

Blogosfera - Motivações B...

...

[ post-it ]

Blogosfera - Motivações B...

Divulgação

[ arquivo ]

Setembro 2006

Agosto 2006

subscrever feeds

[ críticas ]

"Hummm... este blog é muito bom mas não é tão bom como o ABRUPTO" terá dito JPP, aqui citado pelo Senhor Anónimo, provável blogger e conhecido comentarista de blogs, cujas opiniões são geralmente muito bem fundamentadas.
"Ele não conseguiu tirar os olhos do blog e, nessa mesma noite ouviam-se os seus gritos desesperados: QUEM ME DERA A MIM TER UM BLOG ASSIM!!!"
Esta frase rapidamente passou a ser considerada uma classificação estampada em todos os blogs de bom gosto.

[ prémios ]

Este blog ostenta orgulhosamente a classificação de:
QUEM ME DERA A MIM TER UM BLOG ASSIM

[ ligações ]


1 - [próprios]

 

2 - [colectivos]

 

3 - [info]

 

4 - [ leituras ]

 

5 - [info internacional]

[ pesquisar]